0 Flares 0 Flares ×

Vamos limpar os erros e descobrir a verdade sobre a consciência

Ao longo dos anos, tenho escrito artigos sobre o tema da consciência para Aleteia – intermitentemente ou em uma série. Tenho feito conferências sobre consciência para alunos de graduação e pós-graduação, para seminaristas, congregações, religiosos, médicos e advogados. Assim, que mais eu poderia dizer sobre a consciência?

Bem, alguns meses atrás, eu me peguei ouvindo ou participando de conversas – especialmente sobre católicos e votação – que me preocuparam muito. Pessoas de quem eu esperava mais diziam coisas sobre a consciência que eram terrivelmente erradas.

Então, em resposta, eu me dedicaria a escrever sobre o tema novamente. Decidi optar por um “manual” da consciência, ou seja, os contornos básicos da herança clássica e católica em relação à consciência.

Conclusões

Qual é a conclusão dessas reflexões? O que quero que os leitores destes artigos lembrem sobre a consciência, sobre a moralidade clássica e católica e sobre as terríveis distorções que são muito comuns hoje? Acho que faríamos bem em reconstituir dentro de nós três “rejeições” específicas e três “aceitações” específicas.

O que rejeitar sobre a consciência

Rejeite qualquer noção de que a consciência é um sentimento (por mais forte que seja o sentimento);

Rejeite qualquer noção de que a consciência é um endosso do relativismo moral;

Rejeite qualquer noção de que a consciência é um playground ou uma câmara de tortura para escrupulosos ou pedantes.

O que aceitar sobre a consciência

Aceite que a consciência é principalmente um exercício da razão;

Aceite que a consciência lida especialmente com evidências e não emoções;

Aceite que a consciência nos vincula às exigências da lei moral, em vez de nos isentar da lei moral.

Dificuldades

As “rejeições” podem ser difíceis para muitas pessoas porque provavelmente elas foram ensinadas, quase constantemente, que a consciência é um sentimento (localizado no coração ou nas entranhas, dependendo de quem você pergunta) e que, como tal, poderia dar uma orientação imediata e infalível. Esse erro é especialmente escandaloso não só por ser errado e prejudicial, mas porque foi ensinado por pessoas que têm a obrigação de saber mais.

A “aceitação” pode ser difícil para muitas pessoas porque a elas não foi ensinada a verdade sobre a consciência e até agora elas não tinham ouvido a verdade das próprias pessoas que deveriam ter-lhes ensinado. As “aceitações” também podem ser difíceis para algumas pessoas porque essas verdades deixam claro que crescer até a maturidade moral requer trabalho, estudo, humildade e oração – e nem sempre isso é muito popular ou promovido atualmente.

Companheira constante

A consciência é o que Deus criou para ser, não o que a cultura popular e os acadêmicos comuns fizeram parecer. O cardeal John Henry Newman observou há muito tempo:

[Nós] podemos silenciar [nossa consciência] em casos ou direções particulares, [nós] podemos distorcer seus enunciados … [nós] podemos desobedecê-la, [nós] podemos nos recusar a usá-la; mas ela permanece.

Em outras palavras, a consciência é nossa companheira constante, conduzindo-nos de forma confiável ao Céu ou ao Inferno, dependendo de como a usamos. Vamos ter certeza de aprender seu uso adequado e, em seguida, agir de acordo.

Fonte: Aleteia

0 Flares 0 Flares ×
Agir com retidão de consciência: o certo e o errado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*