0 Flares 0 Flares ×

HOMILIA DO 4º DOMINGO DA QUARESMA – ANO B

CAMINHEMOS EM DIREÇÃO A CRUZ ILUMINADOS PELA LUZ DE CRISTO

“Deus amou tanto o mundo, que deu seu Filho Unigênito, para que não morra todo o que Nele crer, mas tenha a vida eterna.”

Até onde pode ir o amor de Deus para nos resgatar e salvar? Com o diálogo catequético realizado diante de Nicodemos, Jesus Cristo revela que Deus nos oferece a vida eterna de forma totalmente gratuita e incondicional sendo capaz de oferecer o próprio Filho para realizar o seu plano salvador.

Na Primeira Leitura, o Livro das Crônicas, ao relatar as ações e pecados que levaram o povo de Israel a se tornar escravo do império da Babilônia, ensina-nos que quando o homem abandona a Deus e escolhe caminhos de egoísmo e desobediência acaba construindo um futuro de dor e de morte. No entanto, ao utilizar um rei pagão para libertar e devolver o povo à Terra Prometida, Deus nos ensina que sua misericórdia sempre nos oferece a oportunidade de recomeçar, de refazer o caminho da esperança e da vida nova.

Na Segunda Leitura, São Paulo recorda aos cristãos de Éfeso – e a nós também – que Deus nos ama com um amor incansável e inesgotável. É esse amor que não se cansa de levantar a humanidade da sua condição de finitude e debilidade e que lhe oferece “a incomparável riqueza da sua graça” por meio da Encarnação, Paixão, Morte e Ressurreição do seu bem mais precioso: seu Filho Unigênito.

No Evangelho, no diálogo fraterno com Nicodemos, Jesus dá continuidade ao que São Paulo afirmou na Segunda Leitura e nos responde à pergunta realizada no início dessa reflexão. Ele nos recorda que Deus Pai nos amou como amor tão imensurável que “deu o seu Filho unigênito” para nos oferecer a vida eterna. Neste tempo em que vivenciamos a Quaresma e a Campanha da Fraternidade, somos convidados a contemplar as palavras e as ações de Jesus, e, como Nicodemos, a aprender com Ele a lição do amor total,  percorrendo com Ele o caminho da cruz que se transforma em dom da vida. É esse o caminho da salvação, da vida plena e definitiva.

Nicodemos passou boa parte da missão de Jesus vivendo uma indecisão: tornar-se discípulo ou não. Mas é este mesmo Nicodemos que toma a decisão de cuidar do corpo de Jesus Cristo depois que Ele morre na cruz. Com este gesto concreto, Nicodemos assumiu diante da sociedade a sua fé e seu discipulado. Assim aprendemos que mesmo às vezes abandonando os caminhos divinos ou ficando indecisos em obedecê-lo, Deus permanece buscando a nós com gestos concretos de amor e misericórdia. No entanto, é imperativo que em nossa vida, como Nicodemos, cedo ou tarde, tomemos uma decisão categórica de acolher a luz que emana da vontade de Deus e a viver definitivamente aquilo que já nos tornamos pelo Batismo que nos foi dado: discípulos missionários de Jesus Cristo, Filho Unigênito de Deus e nosso Mestre e Redentor.

Pe. Paulo Sérgio Silva

Pároco da Paróquia São Sebastião, Mangabeira, distrito de Lavras-CE

0 Flares 0 Flares ×
Caminhemos em direção à Cruz iluminados pela Luz de Cristo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*