0 Flares 0 Flares ×

O médico infectologista já atendeu pacientes com Covid, Aids e ebola. Ele conclui: Jesus atrai todos os que sofrem no amor do seu Sagrado Coração

“É minha terceira epidemia. Sou médico [infectologista] e trato HIV e AIDS há 30 anos. Passei dois meses na Libéria no meio da epidemia de Ebola em 2014. Em março de 2020, ajudei a cuidar de nosso primeiro paciente em Rhode Island com pneumonia COVID e tenho atuado nessa epidemia desde o ano passado. Minha fé, meus pacientes e meus colegas profissionais de saúde me ajudaram ao longo do caminho.

Cuidei de meu primeiro paciente com HIV em 1983 na cidade de Nova York. A epidemia de AIDS se desenrolou diante de nossos olhos ao longo dos anos 80 e 90. Cuidamos dos pacientes sabendo que poderíamos vencer uma batalha aqui e ali tratando uma ou outra das infecções complicadas. Mas não conseguíamos reverter a destruição do sistema imunológico e sua morte quase certa.

Aqueles foram os dias antes de termos uma combinação de medicamentos eficazes que podiam tratar o HIV. Em vez disso, viajávamos e cuidávamos dos pacientes até sua morte. A coragem com que tantos de nossos pacientes fizeram a jornada, junto com seus pais, parceiros, amigos ou irmãos, era humilhante. Era amor em ação. Frequentemente, era inesperado. Os pais que tinham se afastado de seu filho ou filha largavam tudo para cuidar deles em tempo integral. Amigos ou parceiros muitas vezes desistiam de suas profissões para ser o cuidador principal. A fé e a oração, mesmo entre aqueles que não se consideravam muito religiosos, eram a regra, não a exceção. 

Em meio a perdas terríveis, não se podia deixar de refletir sobre o “porquê” do sofrimento humano. Como disse um colega indiano: “Vocês, americanos, pensam que algo ou alguém é o culpado se você tem que sofrer. É uma aberração ou um erro. Você quer saber ‘quem fez asneira?’ Nós, índianos, pensamos que o sofrimento humano é como a chuva; precisamos ajudar uns aos outros. É bom amenizá-lo, mas faz parte da nossa vida e não podemos evitá-lo.” O jogo da culpa raramente ajuda em meio à nossa dor.

Em agosto de 2014, parti para passar dois meses na Libéria trabalhando em clínicas católicas e no hospital católico Saint Joseph’s, que havia sido fechado em meio ao ebola. O ebola era cruel porque atingia um membro da família após o outro. O vírus se espalha muito quando uma pessoa está muito doente. Então, quando uma pessoa era infectada pelo vírus, seu cônjuge, seus pais ou seus filhos ou irmãos corriam para a beira da cama para se cuidar. Em seguida, o vírus o atacaria e depois iria atacar o membro da família que era o cuidador do paciente.

Em meio a essa terrível epidemia, Deus não foi deixado de lado; a oração pública pedindo a bondade de Deus estava no centro de todas as atividades e da vida diária... Missa, adoração e serviços religiosos continuavam acontecendo todos os domingos… Viver a fé e fazer o seu trabalho não eram consideradas atividades distintas.

Em 1º de março de 2020, a COVID atingiu Rhode Island. Os seis meses seguintes foram muito cheios. No início, muitos pacientes, a maioria idosos, morreram sem as famílias ao lado do leito. As enfermeiras que prestaram atendimento foram incríveis. Elas ficavam ao lado da cama, embora houvesse tanta coisa que não sabíamos. Mesmo quando tantos médicos tinham medo de visitar seus pacientes pessoalmente, as enfermeiras ficavam ao lado do leito, reconfortantes e tranquilizadoras.Estou pessoalmente convencido de que o céu estará cheio de enfermeiras (isso não é um dogma teológico, mas é minha opinião).

Nosso capelão do hospital visitava os pacientes rotineiramente e, ao lado da cama, rezava e ministrava sacramentos. Ele mesmo contraiu COVID e se recuperou, felizmente. A “solidão” costumava ser a parte mais difícil. Os pacientes ficavam sozinhos com seu medo e com suas preocupações mais profundas. No entanto, nunca estamos realmente sozinhos porque Jesus está conosco.

Um amigo meu que estava gravemente doente no hospital teve uma experiência que abriu seus olhos para a presença de Jesus em meio ao nosso sofrimento. Quando meu amigo estava muito doente, ele viu Jesus em pé ao lado de sua cama. E perguntou a Jesus como ele conseguiu carregar Sua cruz quando Ele havia sofrido tanto e perdido tanto sangue durante Sua Paixão. Jesus respondeu: “Eu não carreguei a minha cruz sozinho e você não carregará a sua cruz sozinho. Vou te ajudar.” De repente, ele entendeu que seu sofrimento estava unido ao de Jesus e Jesus estava com ele, ajudando-o.

Parte do mistério da cruz … e o mistério do nosso sofrimento … é que nunca estamos sós. Jesus atrai todos os que sofrem no amor do Seu Sagrado Coração. Jesus experimentou o pior sofrimento imaginável e o fez por amor a nós. Ele nos pede para ajudá-lo a carregar Sua cruz, assim como Simão. Ele nos ajuda a carregar nossa cruz. Madre Teresa pode ter dito isso melhor: ‘Dor e sofrimento entraram em sua vida, mas lembre-se de dor, tristeza, sofrimento são apenas o beijo de Jesus – um sinal de que você chegou tão perto dEle que Ele pode beijá-lo’”.

Aleteia

0 Flares 0 Flares ×
Emocionante testemunho de um médico que já trabalhou em 3 epidemias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*