0 Flares 0 Flares ×

“Os outros discípulos disseram-lhe: ‘Nós vimos o Senhor!’ Ele respondeu-lhes: “Se eu não vir a marca das unhas nas suas mãos, se não colocar o meu dedo no lugar das unhas e a minha mão nas suas costelas, não vou acreditar” (Jo 20 : 25 ).

Tomé é um homem de fé, mas também um homem de descrença e fé material. A fé material é aquela que exige ver para acreditar, que não acredita no que não vê, no que realmente não toca. Mas não é para condenar Tomé, pelo contrário, é para aprender com ele como devemos purificar nossa fé, como devemos progredir em nossa fé. Muitas vezes, permanecemos nessa prática da própria fé: só acreditamos no que vemos, só acreditamos no que tocamos, quando as realidades divinas, as realidades de Deus, são sobrenaturais.

Não tocamos de forma sensível e material, tocamos com fé, tocamos com o olhar da fé. E não é que Tomé não acredite em Jesus e em Sua ressurreição, mas ele precisava, em sua pobre maneira humana de pensar, tocar.

A fé não exclui a razão, porque a razão é muito necessária para iluminar, para trazer elementos reflexivos; Além disso, a razão é muito importante para não viver uma fé ingênua, não acreditar em nada, não viver uma fé de mitos, de muitas coisas que não são reais.

A fé mística é sublime, penetra nas realidades mais profundas

Portanto, a razão, com certeza, é importante para termos uma fé verdadeira, concreta e centrada. Porque Deus é real, Jesus é real e se encarnou, assumiu uma realidade material, além disso, a fé é mais do que isso. Fé é justamente acreditar no que não vemos, porque o que não vemos os olhos da carne não veem. São as realidades espirituais e sublimes que cada vez mais precisamos para crescer, tocar e ser tocados.

Sem misticismo não há fé profunda e verdadeira. A fé humana é precisamente aquela fé que acredita no que vê, mas a fé mística é sublime e penetra nas realidades mais profundas; a fé mística é aquela que nos leva à contemplação, é aquela que nos leva a tocar as realidades sublimes, não é fantasia, invenção, crença, porque você pode correr esse risco.

Muitos transformam suas fantasias, suas neuroses e até psicoses em elementos de fé. Não se trata disso! É uma relação simples, amorosa, profunda e autêntica com Deus.

Tomé brincou e creu, mas Jesus disse que os mais felizes são aqueles que acreditam sem ver, porque acreditam e vêem o que há de mais sublime. As realidades mais sublimes e profundas de Deus são mistérios para nossa fé; e mistério não é o que é misterioso que simplesmente não conhecemos, mas mistério é o que é profundo, íntimo, que nos conduz à mais sublime identidade de Deus.

Caminhamos em meio à fé e precisamos, cada vez mais, de um misticismo profundo, sensível e sereno para nos tocar nas realidades celestes enquanto caminhamos nesta Terra.

Deus te abençoe!

0 Flares 0 Flares ×
Fé é acreditar no que não vemos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*