0 Flares 0 Flares ×

Francisco presidiu a oração perante uma Praça de São Pedro vazia, mas ligada a todo o mundo, com bênção extraordinária «urbi et orbi»

Foto: Lusa/EPA

Cidade do Vaticano, 27 mar 2020 (Ecclesia) – O Papa presidiu hoje no Vaticano a uma celebração extraordinária de oração, perante a pandemia da Covid-19, na qual afirmou que “só juntos” será possível superar esta crise.

“Demo-nos conta de estar no mesmo barco, todos frágeis e desorientados, mas ao mesmo tempo importantes e necessários: todos chamados a remar juntos, todos carecidos de mútuo encorajamento. E, neste barco, estamos todos, todos”, disse, na homilia que proferiu durante a celebração, no adro da Basílica de São Pedro.

Numa celebração com transmissão televisiva e online para todo o mundo, Francisco começou por rezar pela humanidade, numa “dolorosa condição”, antes de refletir sobre a passagem do Evangelho em que Jesus dorme, enquanto uma tempestade assola o barco onde vai, com os discípulos.

“A tempestade desmascara a nossa vulnerabilidade e deixa a descoberto as falsas e supérfluas seguranças com que construímos os nossos programas, os nossos projetos, os nossos hábitos e prioridades”, sustentou, perante a Praça de São Pedro vazia, por onde caminhou sozinho, numa tarde de muita chuva.

O Papa defendeu a necessidade de “despertar e ativar a solidariedade e a esperança”, para que todos sejam “capazes de dar solidez, apoio e significado a estas horas em que tudo parece naufragar”.

Não nos detivemos perante os teus apelos, não despertamos face a guerras e injustiças planetárias, não ouvimos o grito dos pobres e do nosso planeta gravemente enfermo. Avançamos, destemidos, pensando que continuaríamos sempre saudáveis num mundo doente. Agora, sentindo-nos em mar agitado, imploramos-Te: «Acorda, Senhor!».

A celebração de oração contou com momentos de adoração eucarística e com uma bênção especial ‘urbi et orbi’ [à cidade (de Roma) e ao mundo] – habitualmente reservada aos dias de Páscoa e Natal, além da eleição de um novo pontífice -, com possibilidade de indulgência plenária para os católicos.

Esta é uma bênção exclusiva do Papa e está associada à remissão das penas pelos pecados cometidos (indulgência), de acordo com a doutrina católica.

Francisco lamentou que a humanidade tenha vindo a perder as suas “raízes” e a sua memória, ignorando os mais velhos, que apresentou como a “imunidade necessária para enfrentar as adversidades”.

A intervenção destacou a importância de criar uma consciência de “pertença como irmãos”, travando a “avidez do lucro”, a pobreza e a destruição da natureza, num momento apresentado como “tempo de decisão”.

Foto: Lusa/EPA

“É o tempo de decidir o que conta e o que passa, de separar o que é necessário daquilo que não o é. É o tempo de reajustar a rota da vida rumo a Ti, Senhor, e aos outros”, assinalou o pontífice.

Francisco elogiou as pessoas “exemplares” que têm dado a sua vida ao serviço dos outros, durante a pandemia.

Pessoas comuns (habitualmente esquecidas), que não aparecem nas manchetes dos jornais e revistas, nem nas grandes passarelas do último espetáculo, mas que hoje estão, sem dúvida, a escrever os acontecimentos decisivos da nossa história: médicos, enfermeiros e enfermeiras, trabalhadores dos supermercados, pessoal da limpeza, curadores, transportadores, forças policiais, voluntários, sacerdotes, religiosas e muitos – mas muitos – outros que compreenderam que ninguém se salva sozinho”.

Com a custódia eucarística nas suas mãos, o Papa abençoou a cidade de Roma e o mundo, desde a porta principal da Basílica de São Pedro, num momento em que se misturaram os sons dos sinos no Vaticano e o das ambulâncias que circulavam na capital italiana.

Para esta oração, foram levados até ao Vaticano o ícone de Maria ‘Salus populi Romani’, que se venera na Basílica de Santa Maria Maior, local onde o Papa costuma rezar antes e depois de cada viagem internacional, para pedir a intercessão da Virgem Maria; e a cruz venerada na igreja de São Marcelo al Corso, um crucifixo considerado milagroso que, segundo a tradição popular, pôs fim à peste de 1522.

O mesmo ícone de Nossa Senhora foi levado em procissão pelo Papa Gregório I em 593, para pedir o fim da peste; em 1837, Gregório XVI rezou junto da imagem pelo final de uma epidemia de cólera.

Quanto ao crucifixo em madeira, da igreja de São Marcelo, foi abraçado por São João Paulo II no final da Jornada do Perdão durante o grande jubileu do ano 2000.

“No meio deste isolamento que nos faz padecer a limitação de afetos e encontros e experimentar a falta de tantas coisas, ouçamos mais uma vez o anúncio que nos salva: Ele ressuscitou e vive ao nosso lado”, pediu Francisco.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, já infetou cerca de 540 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 25 mil.

Na Itália, morreram 996 nas últimas 24 horas, elevando o número de falecimentos no país para 9134, em 86 498 casos.

OC

0 Flares 0 Flares ×
Francisco presidiu a oração perante uma Praça de São Pedro vazia, mas ligada a todo o mundo, com bênção extraordinária «urbi et orbi»

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*