0 Flares 0 Flares ×

BRASILIA, 30 mar. 21 / 10:08 am (ACI).- A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), a Comissão para a Ação Missionária e Cooperação Intereclesial e a Fundação Pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre (ACN) promovem na próxima quinta-feira, 1º de abril, um Dia de Oração dedicada à paz em Mianmar, em razão da violência que o país enfrenta como consequência do golpe de estado de 1º de fevereiro.

“Esse povo tem enfrentado dias muito difíceis e conta com nosso apoio por meio de orações e sintonia. A Igreja em Mianmar precisa de nosso sustento orante e nossa fraternidade”, afirma vídeo de divulgação da iniciativa, ao convidar todos a participarem do dia de oração por Mianmar, em 1º de abril. “Sua oração é muito importante para esse povo que sofre”, acrescenta.

O Dia de Oração dedicado à paz em Mianmar acontecerá exatamente na Quinta-feira Santa, um dia especial, em que “Nosso Senhor nos propõe o mandamento do amor e do serviço”, como ressaltou o assessor da Comissão para a Ação Missionária e Cooperação Intereclesial da CNBB, Padre Daniel Rocchetti.

Segundo os organizadores, este Dia de Oração faz parte de um primeiro passo de uma série, na qual se sublinha o valor da oração como “agir missionário”. Conforme explicou Pe. Rocchetti, trata-se de uma iniciativa “escolhida para ser realizada no dia primeiro de cada mês, em memória a Santa Teresinha, padroeira das missões”.

O assessor sublinhou que “é muito comum nós entendermos a missão como atividade missionária ou como contribuição econômica, mas ainda é muito falha a ideia de que a oração é a primeira grande contribuição para a missão”, o que será promovido por esta iniciativa.

Nos próximos meses, a iniciativa também promoverá a oração por outros locais em conflito, buscando rezar “por uma situação, por um país, pelos cristãos que estão naquela determinada localidade e que a gente precisa sustentá-los” pela oração.

Conflito em Mianmar

Mianmar vem registrando confrontos sangrentos entre as forças de segurança e manifestantes contra o golpe de Estado militar de 1º de fevereiro que derrubou a líder Aung San Suu Kyi.

Os militares declararam estado de emergência por um ano e colocaram o general Min Aung Hlaing no comando do país.

O último sábado, 27 de março, segundo a imprensa internacional, foi o dia mais sangrento do conflito no país. A ONU estima que 107 pessoas morreram, entre as quais 7 crianças.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas rejeitou o golpe e pediu “a libertação de todos os detidos, o respeito aos direitos humanos evitando o uso da violência e a restauração do processo democrático”.

Em diferentes situações, o Papa Francisco expressou sua preocupação pelo conflito vivido em Mianmar e rezou pelo país. Durante a oração do Ângelus no dia 7 de fevereiro, o Santo Padre pediu para promover “a justiça social e a estabilidade nacional, para uma convivência harmoniosa”.

O Papa declarou que acompanhava “com grande preocupação a evolução da situação que se criou em Mianmar, um país que, desde a minha visita apostólica de 2017, carrego no coração com muito afeto”.

Ao concluir a Audiência Geral do dia 3 de março, o Pontífice lamentou que “ainda estão chegando de Mianmar notícias tristes de sangrentos confrontos, com perdas de vidas humanas”.

“Gostaria de chamar a atenção das autoridades envolvidas para que o diálogo prevaleça sobre a repressão e a harmonia sobre a discórdia. Dirijo um apelo também à comunidade internacional, para que atue a fim de que as aspirações do povo de Mianmar não sejam sufocadas pela violência”.

“Que aos jovens daquela amada terra seja concedida a esperança de um futuro onde o ódio e a injustiça deem lugar ao encontro e à reconciliação. Repito, finalmente, o desejo expresso há um mês: que o caminho rumo à democracia empreendido nos últimos anos por Mianmar possa ser retomado através do gesto concreto da libertação dos vários líderes políticos presos”, disse o Papa Francisco.

0 Flares 0 Flares ×
Igreja no Brasil promove dia de oração pela paz em Mianmar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*