Geovane Saraiva – padre, blogueiro, escritor e colunista.

BofPadre Geovane Saraiva, nascido aos 30 de outubro de 1956, em Capistrano-CE, filho de Agapito Saraiva Costa e de Maria Eliete Saraiva. Sacerdote de origem simples e humilde, iniciou o estudo das primeiras letras na Escola Pública de Mazagão, na mesma cidade. O menino Geovane, desde cedo, manifestou sua vocação para o sacerdócio, postergado pelas circunstâncias, uma vez que, como bom filho que era e é, de ajudar os pais nos trabalhos da propriedade do pai, que o obrigaram a permanecer em sua terra natal. A providência divina tarda, mas não falha, diz a sabedoria popular. Aos 17 anos, deixa a casa de seus queridos pais, no sonho de dedicar-se à messe do Senhor. Esse desejo do seminário falou mais alto.

Geovane Saraiva é cidadão de Fortaleza, desde abril de 2007. Condecorado com a Medalha Boticário Ferreira em 1º de abril de 2011. Escreve para jornais, revistas, diversos sites e blogs.

Publicou os livros:

“O Peregrino da Paz”;
“Nascido Para as Coisas Maiores” (por ocasião do centenário de Dom Helder, 1909-2009);
“A Ternura de um Pastor” (homenagem ao Cardeal Lorscheider);
“A Esperança Tem Nome” (espiritualidade e compromisso);
“Dom Helder: Sonhos e Utopias” (o pastor dos empobrecidos);
“25 Anos sobre Águas Sagradas” (coletânea de artigos e fotos);
“Francisco, um sinal para o mundo” (coletânea de artigos);
“Voz dos que não têm voz” (crônicas);
“Rezar com Dom Helder” (orações e súplicas); 
“Francisco, o Futuro do Mundo” (oração e profecia);
"Lições para a vida (uma contribuição pastoral);
"Dom Aloísio em nossos corações".

Integra a Academia de Letras dos Municípios do Estado do Ceará representando o Município de Redenção, na cadeira de Nº 71 e a Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza (AMLEF), ocupando a cadeira Nº 8, cujo patrono é Olavo Oliveira. Exerce a função de vice-presidente da Previdência Sacerdotal. No dia 21 de novembro do ano de 2011, foi-lhe outorgada pela Câmara Municipal de Fortaleza a Medalha de Defesa dos Direitos Humanos Dom Helder Câmara e, no dia 22 de dezembro do mesmo ano, a Medalha Dom Helder Câmara, o Artesão da Paz, pela Academia de Letras dos Municípios do Estado Ceará (ALMECE).

Artigos:

POVOAR DE SONO E SONHOS

Nosso livro Rezar com Dom Helder, lançado há pouco, tem o objetivo de apresentar ao amigo admirador e degustador da vida do Servo de Deus e Artesão da Paz, em pensamentos, poemas, orações e fotografias, a figura daquele que foi mais servo do que príncipe, mais coração do que razão, no seu sonho de perseguir a fraternidade e a solidariedade dos filhos de Deus. Dom Helder iniciou sua vida de padre em profunda sintonia e comunhão com Jesus, Pão da Vida, Pão descido do céu, concretamente no exemplo do seu santinho da ordenação sacerdotal, em Fortaleza-CE (15/08/1931), através do qual assim se manifestou: Angelorum esca nutrivisti populum tuum – “Teu povo se alimenta do pão do céu”.

Por ser um cidadão planetário, o mundo foi seu campo de ação apostólica, vivendo-a a partir dos seus 27 anos na Cidade Maravilhosa-RJ (1936-1964). Conhecido pelo nome de Dom da Paz, viveu a ternura e a solidariedade ao lado dos irmãos empobrecidos e já em 1948, na condição de padre jovem no Rio de Janeiro, no seu sonho de um mundo melhor, externou: “Se eu pudesse, sairia povoando de sono e de sonhos as noites mal dormidas dos desesperados”. Exerceu a função de arcebispo de Olinda e Recife a partir de abril de 1964, carregando consigo umas marcas de homem de Deus, místico e pastor generoso e identificado com seu povo que, ao tomar posse na referida função, asseverou: “Quem estiver sofrendo, no corpo e na alma; quem, pobre ou rico, estiver desesperado, terá lugar especial no coração do bispo”, de tal modo que não devemos esquecê-lo jamais como patrono dos direitos humanos e dos injustiçados.

FRANCISCO, O FUTURO DO MUNDO

Estamos entregando ao povo de Deus, neste Natal de 2015 e início de 2016, o livro Francisco: o Futuro do Mundo. Nosso objetivo é o de colocar, de um modo renovado e agradecido, na mente e no coração dos amigos leitores, Jorge Mario Bergoglio, eleito papa no dia 13 de março de 2013, escolhendo o nome de Francisco. No dia seguinte, manifestamos em artigo: “Com a chegada do novo Vigário de Cristo na Terra, que o planeta possa ser alegremente contemplado, no sentido de que os cristãos sejam estimulados e fomentados a um grande compromisso de dialogar e cuidar da criação, nas suas mais diversas realidades. O mundo precisa carinhosamente de práticas ecológicas e ambientais, para que a fé da humanidade possa se tornar cada vez mais viva e coerente com aquilo que se acredita”.

A melhor e maior graça do Espírito Santo de Deus para o nosso tempo conturbado, distante do sonho de Deus-Pai, foi a chegada do Papa Francisco, homem de Deus, descomunal e atemporal, totalmente despojado e com o coração plenamente aberto aos clamores da humanidade. Homem de Deus e místico, certo na hora certa ele o é. Em um ardente desejo de colocar o futuro do mundo no bom caminho, deu-nos de presente a Encíclica Laudato Si’ (18/06/2015). No mesmo caminho perseguido pelo Salvador da humanidade, a partir do excelso mistério de sua cruz redentora, a envolver e exaltar toda a humanidade, no desejo sempre maior de ter como alimento a fé e a esperança, na fidelidade a Jesus de Nazaré e seu Evangelho.

Ideias: Lições da vida

A dinâmica religiosa de um Pastor da Igreja Católica apresenta “Lições Para a Vida”, num contexto de belíssima contribuição pastoral. É a difusão do bem em escritos leves no estilo de crônicas. O autor é portador de dom jornalístico, mesmo na sua nobre função sacerdotal. Trata-se do padre Geovane Saraiva, que sempre enfoca fatos da vida real, numa visão carinhosa do seu conviver com personalidades de rara potencialidade para o humanismo tão necessário à atualidade da violência que nos inquieta.

Pe. Geovane aproveita o seu pastoreio para semear a cultura de paz advinda da sua vocação sacerdotal. Dono de uma cultura exemplar, o autor trabalha o seu verbo fácil a fim de apontar vultos cuja grandeza tem o rito das orações espontâneas. Reza pela cartilha dos bem aventurados quando aponta luminosidades da existência humana. Cerca-se de Dom Helder e de Madre Tereza de Calcutá, por exemplos, em relembranças pias das caminhadas divinas em busca da harmonia social. Livro repleto de fotos relacionadas com os assuntos abordados por um autêntico paladino das missões evangélicas.

Pe. Geovane Saraiva vence pela pertinácia e pelo saber merecendo comendas, encômios e convites para integrar movimentos literários. Faz parte das academias de Letras Metropolitana e dos Municípios do Ceará (Amlef e Almece), dentre outros méritos de cultura. Desdobra-se na produção literária religiosa sem perder o viés do interesse geral. “Lições Para a Vida” tem suporte de ser um livro de verdadeiras “Lições de Vida” para despertar comportamentos de fraternidade, de solidariedade e de amor ao próximo.

Paulo Eduardo Mendes
Jornalista

DOM ALOÍSIO EM NOSSOS CORAÇÕES

Na proximidade da festa em que os anjos anunciam a glória de Deus, pela salvação que nos é oferecida no nascimento da criança de Belém, chega-nos, aqui em Fortaleza, CE, parte dos restos mortais de Dom Aloísio Cardeal Lorscheider. Trata-se de um irmão entre irmãos, mas que mexeu com a consciência das pessoas de boa vontade do estado do Ceará, sensibilizou-as, falando-lhes em alto e bom tom da necessidade de uma nova prática, voltada a Deus, especialmente pela atenção dada aos que aqui encontrou em situação de miséria, fome e exclusão social. Como já disse alhures, considerou o povo cearense, com sua história, realidade e cultura, tornando-se seu patrimônio. Ao mesmo tempo, estimulou-o a ser sujeito e protagonista de sua própria história.

aloisio1Dom Aloísio, no legado de pastor terno, doce e afável, cativou corações e marcou profundamente a face da Igreja na segunda metade do século XX e início do século XXI. Ensinou-nos que o Evangelho, na sua plenitude e no seu todo, significa, na realidade, a revelação do verdadeiro rosto de uma Igreja em saída e inclusiva, longe de todo e qualquer tipo de intolerância, arma dos preconceituosos e dos fechados ao projeto do nosso Deus e Pai.

Ele tem muito a nos ensinar, sobretudo quando se acentua a importância de campanhas em favor da vida, num não ao aborto, dentro de uma visão que se alarga, pela sua coerente dedicação à Igreja e aos irmãos, sem excluir e negar a cidadania eclesiástica a ninguém. Credenciou-se como referência, igualmente, numa sensibilidade sempre maior, ao se enfatizar o rosto de Deus nos moradores de ruas, nos que são golpeados pela fome, mesmo antes de nascer, sem esquecer os refugiados, os migrantes e os que lhes faltava liberdade de expressão.

A força e exuberância de Deus, de tal modo, pousou sobre Dom Aloísio, na opção que fez de viver a justiça divina, para que, desse modo, seu rebanho experimentasse a paz verdadeira e duradoura. Pelo seu constante esforço de buscar uma vida de conversão pessoal, ao chegar ao Nordeste brasileiro, configurou-se com o Cristo do Evangelho, tornando-se um dom visível de Deus, com seu exemplar modo de viver, concretizado nos empobrecidos. Ele, no entardecer de sua vida (23/12/2007), consciente de que de Deus tinha sido servo bom e fiel, assim se expressou: “Estou preparado. Sou curioso, quero ver o outro mundo. Viver face a face com Deus, sem dúvida, é diferente”.

Concomitante com a URNA MEMORIAL EX OSSIBUS de Dom Aloísio Lorscheider, que se encontra na Cúria Metropolitana desde o dia 12 de dezembro, sendo recebida pela Catedral Metropolitana no dia 21, em Celebração Eucarística, por ocasião do aniversário da Dedicação da Catedral, que foi por ele concluída e consagrada, é que colocamos, nas mãos do povo de Deus, nossa humilde publicação fotobiográfica: Dom Aloísio em nossos corações. Assim seja!