0 Flares 0 Flares ×

(ACI).- A maior coleção de relíquias fora do Vaticano pode ser visitada em Portugal, onde foi inaugurada em setembro, no Castelo de Ourém, a Real Lipsanotheca, que tem como curador o perito em relíquias Carlos Evaristo.

“A Real Lipsanotheca é um santuário de relíquias permanente, resultado de um trabalho que iniciei com minha mulher, Margarida Evaristo, há exatos trinta anos”, contou Evaristo em entrevista a ACI Digital.

Segundo ele, “a Real Lipsanotheca foi concebida no Ano Santo de 2000 com a ajuda de John Haffert, o grande apóstolo de Fátima e benfeitor do Castelo de Ourém (o Castelo de São Nuno de Santa Maria), cuja Fundação Oureana possuía espaços dignos e históricos no velho burgo ligados ao Culto de Relíquias no tempo do IV Conde D. Afonso, primogênito da Casa de Bragança”.

Assim, “em uma capela adequada à veneração pública, foram reunidas diversas coleções de relíquias, como a nossa, Oratório de Santa Ana, e a de nosso capelão-mor, o Padre Carlo Cecchin”.

“Atualmente – sublinhou –, é o maior acervo de relíquias da Igreja fora dos muros do Vaticano e, ainda, conta com o patronato das Casas Reais Portuguesa e Brasileira e de diversas Casas Reais Imperiais”.

“Para resumir, a Real Lipsanotheca é uma Saint-Chapelle do século XXI ou, como diz o nosso capelão-mor, ‘um para-raios de Portugal’”, explicou.

O curador, Carlos Evaristo, é arqueólogo, historiador, autor e escritor, além de representante do Gabinete dos Patronos dos Museus do Vaticano para países Lusófonos.

Segundo ele, para dar suporte à missão da Real Lipsanotheca, foram criados o Apostolado para as Relíquias Sagradas e a Cruzada Internacional pelas Relíquias Sagradas (ICHR), ambos “estão canonicamente erigidos em várias dioceses”.

O primeiro “zela pelo culto devocional e o correto uso das relíquias para a santificação pessoal, além de cuidar da autenticação e da preservação das Relíquias Sagradas”.  Já a ICHR, fundada em 1997, “é um grupo internacional que congrega mais de cinco mil guardiões de relíquias ao redor do mundo. E tem, entre os objetivos, o estudo e a divulgação da história e do culto às relíquias”.

Ao lado de Carlos Evaristo na Real Lipsanotheca, encontra-se também um brasileiro, Fábio Tucci Farah, o qual, há vários anos, “se tornou Cavaleiro Guardião de Relíquias e, cada vez mais, se envolveu nos trabalhos do Apostolado”.

Além disso, o brasileiro “foi nomeado Curador Adjunto, auxiliando o curador no estudo e na pesquisa. E, recentemente, foi inscrito no hall dos Patronos ao resgatar – e doar para a nossa coleção – uma rara relíquia da Lança Sagrada – a que São Longinus usou para perfurar o torso de Cristo. Ele também é o nosso representante na Arquidiocese de São Paulo, onde foi nomeado especialista em relíquias por Dom Odilo Pedro Scherer”, especificou Evaristo.

O estudo das relíquias

Também junto com Farah, com o delegado do ICHR nos Estados Unidos, Paul Perry, e com o arqueólogo Humberto Nuno, Carlos Evaristo fundou o Real Instituto de Arqueologia Sacra, subordinado à Lipsanotheca.

“Sua missão fundamental – explicou– é servir de suporte ao estudo científico das relíquias, já desenvolvido pelo Apostolado. Mas também pretende desenvolver normas internacionais para a arqueologia sacra, prestar consultoria na área e auxiliar em pesquisas de campo”.

De acordo com Evaristo, entre os trabalhos desenvolvidos pelo Instituto estão a restauração de relicários, conservação de relíquias degradadas e autentificação, com selagem de teca e emissão de autentica, fornecimento de relíquias genuínas gratuitamente a igrejas para veneração pública.

Além disso, acrescentou, “lutamos contra a venda de relíquias; combatemos e denunciamos a falsificação de relíquias”. Para os projetos futuros, por exemplo, citou que estão “batalhando por uma legislação internacional que proteja as relíquias de venda, sobretudo pela internet”.

Evaristo contou ainda que tem “recebido convites para estudar e autenticar relíquias insignes da Igreja e para participar de exumações e traslados de corpos de Servos de Deus e Santos. Recentemente, autenticamos achados arqueológicos de extrema importância dos tempos bíblicos, uma descoberta fenomenal que será divulgada em breve”, adiantou.

Conforme explicou o perito, trata-se de um trabalho de grande importância, pois, “para a veneração pública, as relíquias devem ser autênticas. Muitas precisam ser estudadas e analisadas com rigor científico. Neste sentido, creio que o Apostolado presta um serviço único à Igreja, em diversas dioceses onde está canonicamente erigido”.

Assim, concluiu, “a Real Lipsanotheca, Sede dos Apostolados e do Instituto, tornou-se um local de culto, no qual se podem venerar dezenas de milhares de relíquias. Costumamos dizer que aqui há várias pontes para o Paraíso. Não à toa, diversas graças já foram alcançadas”.

0 Flares 0 Flares ×
Maior acervo de relíquias fora do Vaticano se encontra em Portugal, diz arqueólogo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*