0 Flares 0 Flares ×

Segundo o padre e poeta inglês Frederick William Faber, elas são “a música do mundo”

Padre e poeta… essa dupla vocação fez de Frederick William Faber (1814-1863), um teólogo calvinista inglês que se converteu ao catolicismo, o autor de magníficas reflexões espirituais. Como poeta, ele era amigo de Wordsworth e, como um convertido do anglicanismo para o catolicismo, ele foi inspirado por St. John Henry Newman.

Em seus escritos espirituais sobre a bondade, ele louvou palavras de elevação e demonstrou seu poder: “Na verdade, mal há um poder na Terra equivalente a elas. É como se elas pudessem fazer quase o que apenas Deus na realidade pode fazer – designadamente, suavizar os corações duros e raivosos dos homens”.

Pregador no oratório

Um pregador eloquente, Faber fundou uma comunidade religiosa chamada St. Wilfrids na Arquidiocese de Birmingham, que mais tarde se fundiu com a congregação Oratório, liderada por St. John Henry Newman.

Newman decidiu estabelecer um segundo oratório em Londres, conhecido como o Oratório de Londres, do qual Faber permaneceu na chefia até sua morte. Enquanto Frederick William Faber dedicou muito do seu trabalho a escrever sobre as vidas de santos padroeiros, ele também nos deixou o lindo texto a seguir sobre palavras bondosas.

Não existe coração imperdoável

“Palavras bondosas são a música do mundo. Elas têm um poder que parece além da causalidade natural, como se fossem a canção de um anjo que tivesse se perdido e vindo parar na Terra e sido cantada eternamente, encantando os corações dos homens com os machucados mais doces e colocando em nós a natureza de um anjo…

Palavras bondosas corrigem coisas que se tornaram intrinsecamente erradas. Na verdade um coração imperdoável é um monstro raro. A maioria dos homens se cansa das disputas mais justas. Até mesmo aquelas disputas em que a disputa é unilateral, que são sempre as mais difíceis de corrigir, cedem com o tempo às palavras bondosas.”

Antigas feridas

“[…] Todas as disputas provavelmente residem no mal-entendido e só existem pelo silêncio, que, como tal, estereotipa o mal-entendido. Um mal-entendido é mais do que um bebê de um mês geralmente possa ser considerado incapaz de explicar. Explicações renovadas se tornam mal-entendidos renovados. Palavras bondosas proferidas juntas pacientemente por muito tempo e sem um intuito visível são nossa única esperança.

Elas vão suceder; não irão explicar o que foi mal-entendido, mas farão o que é muito melhor – tornar a explicação desnecessária, e assim evitando o risco que sempre acompanha as explicações de abrir antigas feridas.”

Nos aproximam do sagrado

“Em todas as instâncias previamente mencionadas, o poder das palavras bondosas é remédio. Mas também pode ser produtivo; palavras bondosas produzem felicidade. Quantas vezes não tornamos mais felizes devido a palavras bondosas, de tal modo e em uma extensão que somos um tanto incapazes de explicar? Nenhuma análise nos permite detectar o segredo das palavras bondosas; até o amor próprio se revela inadequado como causa.

Agora, como eu já disse antes, a felicidade é um grande poder do sagrado. Assim, palavras bondosas, pelo seu poder para produzir felicidade, também têm o poder de produzir sacralidade e de ganhar homens para Deus.”

Via Aleteia
0 Flares 0 Flares ×
O poder das palavras bondosas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*