0 Flares 0 Flares ×

Quando foi eleito bispo de Lyon, Santo Irineu notou a preocupante divisão dos cristãos. Para remediar isso, ele se tornou um catequista e dedicou seus escritos à propagação da verdadeira fé transmitida pelos apóstolos

Lyon, 178. O sol ainda não tinha nascido sobre a capital dos gauleses. Por várias horas, Irineu ficou andando de um lado para o outro em seu quarto, sem conseguir dormir. Já se passavam alguns meses desde que ele voltara a Lyon após as perseguições de Marco Aurélio para assumir seu cargo de bispo.

Os cristãos que conseguiram escapar da perseguição estavam visivelmente afetados. Muitos deles aguardavam o martírio, pensando que era o destino de todos os que decidissem seguir a Cristo. Embora isso o entristecesse, não era o que mais preocupava o novo bispo.

Santo Irineu e a divisão dos Cristãos

Entre os cristãos da cidade havia uma desordem como ele nunca vira antes. Um veneno espalhado entre seus irmãos: a gnose. Essa filosofia, que afirma ser ciência, defende que a carne é a prisão das almas. Que o mundo físico é fundamentalmente ruim. E que essa verdade e conhecimento só podem ser alcançados pelos eleitos de Deus. Nunca tal absurdo fez sentido aos ouvidos de Irineu.

Os “eleitos” eram homens orgulhosos, que desejavam aproveitar a ignorância dos cristãos para formar sua seita. Marcion se refere a duas crenças diferentes: os ebionitas negam a divindade de Cristo e os docetistas afirmam que Ele nunca encarnou.

Essas seitas têm uma coisa em comum: todas negam a Ressurreição. Esses mesmos homens afirmam manter o segredo das tradições dos apóstolos. Como podemos conceber um paradoxo tão escandaloso? A verdade e a revelação não são privilégios de alguns, mas dádivas de Deus para todos. Caso contrário, por que Ele teria dado inteligência e pensamento aos homens?

Santo Irineu, portanto, não poderia, em sã consciência, deixá-los dilacerar a comunidade já enfraquecida pela perseguição. Então ele escolhe uma arma formidável para combater as seitas e as heresias.

Um bispo com uma caneta afiada

O desejo de salvar a unidade dos cristãos e de transmitir a verdadeira fé motivaram Santo Irineu. Com uma pena e um pedaço de pergaminho, ele começou a escrever cartas. Os textos rapidamente se tornaram uma obra em cinco livros chamados Adversus haereses (“Contra as heresias“). O último volume visa desconstruir os argumentos e denunciar os erros do pensamento gnóstico.

Irineu adverte os cristãos a não permitirem que suas respectivas culturas influenciem sua visão da fé. Porque as culturas são diversas, mas existe apenas uma fé.

“A salvação está escrita no coração de todos. Não são nossas terras nem nossas histórias que nos fazem amar Jesus”, disse ele.

Outros escritos de Santo Irineu

Destes escritos incessantes nasce a “Demonstração da pregação apostólica”. De fato, essa obra justifica o ensino apostólico e é considerada o primeiro catecismo escrito. Apesar das reprovações desenfreadas que fez aos gnósticos, Santo Irineu permaneceu muito indulgente em seu dever. Ele condena certas ideias, mas nunca os próprios cristãos. Afinal, Cristo não expulsou ninguém que veio a ele. Portanto, era seu dever como bispo acolher e guiar os que estão sob sua responsabilidade.

Acredita-se que Santo Irineu morreu no ano de 202. A Igreja Católica o celebra no dia 28 de junho. Alguns o consideram o precursor dos doutores da Igreja.

Via Aleteia

0 Flares 0 Flares ×
O que levou Santo Irineu a escrever o primeiro catecismo da história

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*