0 Flares 0 Flares ×

A vida de cada um de nós não é composta apenas de tranquilidade e alegrias, mas também de muitas preocupações e tristezas. O sofrimento faz parte da existência. Importa saber aceitá-lo como é e, partindo daí, chegar a combatê-lo de forma tão forte e eficaz quanto possível.

Como? Com amor.

É muito comum que o sofrimento de alguém faça com que outros o ignorem, como se se tivesse tornado invisível. Não querem ver, não querem pensar nisso, menos ainda sentir a dor do outro.

Quem ama não desvia o olhar. Quem ama está presente, é presente. Fica, não importam as circunstâncias. Nada o afasta daquele lugar que escolheu. Ali, ao lado de quem ama.

É difícil olhar para quem sofre, sim. É ainda mais difícil sofrer e não haver sequer quem olhe para aquele a quem a desgraça abraçou.

Que tipo de amor é esse que não luta contra o mal?

Que egoísmo é esse que faz desviar o olhar do sofrimento? Sim, é contagioso, mas a sua partilha é uma arma potente e pode ser o princípio do seu fim. Por mais absurdo que seja, o sofrimento também une e engrandece.

Porque nos afastamos dos que estão mais frágeis? Não somos nós também frágeis? O silêncio da solidão é um grito quase insuportável. Nunca o ouviste em ti?

A existência também é sofrimento. Sofrer não é morrer, é viver e querer viver.

Quem não ama, não sofre. Quem não sofre, não vive. Quem não vive, o que está aqui a fazer?

A dor pode despertar uma vontade que faz dos fracos fortes. Se houver quem não desvie o olhar.

 

Fonte: https://agencia.ecclesia.pt

Autor:José Luís Nunes Martins

0 Flares 0 Flares ×
Quem ama não desvia o olhar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*